Make your own free website on Tripod.com

Resposta da Pergunta Nº 62 :

Não, em absoluto, pois aí vemos as coisas tais como são. Aqui, estamos cegos. Quando o Ego vem para o Mundo Físico, isto se torna, num certo sentido, um grande júbilo, da mesma forma que nos alegramos quando nasce uma criança, pois este mundo proporciona-nos experiência e material para o crescimento anímico. Mas, considerando de outro ponto de vista, quando o Ego entra neste mundo e fica enclausurado no corpo denso, coloca-se na mais limitada condição imaginável. Regozijar-se quando a criança nasce e lamentar quando a morte a libera, é o mesmo que alegrar-se quando um amigo é preso, e chorar e deplorar histericamente quando foi posto em liberdade. Quando o espírito passa para o mundo celestial, encontra no Primeiro Céu alguns com os quais associou-se na vida terrena. Nessa altura, já espiritualizou-se e estará consciente da realidade de que a morte não existe. Conseqüentemente, quando alguém querido tem de seguir o seu caminho evolutivo, há grande regozijo e alegria, e o fato de saber que nos encontraremos novamente eliminará qualquer angústia sentida por aqueles que são deixados para trás.

 


V O L T A R