Make your own free website on Tripod.com

Resposta da Pergunta Nº 32 :

Sim, há uma diferença. Durante o sono natural, o Ego, revestido da mente e do corpo de desejos, deixa o corpo físico e paira geralmente por cima do corpo ou fica perto dele ligado pelo cordão prateado, enquanto os corpos vital e denso permanecem descansando sobre a cama.

Então, é possível influenciar a pessoa, incutindo em seu cérebro os pensamentos e idéias que desejamos comunicar. Contudo, não podemos induzi-la a fazer qualquer coisa ou alimentar idéias que não estejam de acordo com as suas tendências naturais. E impossível ordenar que faça qualquer coisa e forçá-la a obedecer - como acontece quando o hipnotizador a expulsou com os seus passes - porque é o cérebro que move os músculos e, durante o sono natural, o seu cérebro está interpenetrado pelo seu próprio corpo vital e ela tem pleno controle de si mesma. Durante o sono hipnótico, os passes do hipnotizador expulsam o éter que compõe o seu corpo vital para fora do cérebro, para os ombros da vítima, onde permanece ao redor do pescoço parecendo-se com a gola de uma malha. Assim, o cérebro denso está aberto ao éter do corpo vital do hipnotizador, que o desloca do seu possuidor. Conseqüentemente, no sono hipnótico a vítima não tem qualquer escolha quanto às idéias que alimenta ou aos movimentos que faz com o seu corpo. No Sono comum, ela é ainda um agente livre. De fato, este método de sugestão durante o sono é algo que as mães acharão extremamente benéfico ao lidar com crianças problemáticas. Se a mãe sentar-se ao lado da cama do filho adormecido, segurar suas mãos, falar-lhe como o faria se ele estivesse acordado, incutindo em seu cérebro idéias salutares que gostaria que a criança tivesse, descobrirá que, no estado de vigília, muitas destas idéias terão criado raízes. Da mesma forma, ao tratar uma pessoa doente ou viciada em bebida, se a mãe, a enfermeira ou outros se utilizarem deste método, verão que é possível incutir esperança e cura, favorecendo o restabelecimento físico ou promovendo o autodomínio. Naturalmente, este método pode ser usado para o mal, mas não podemos abster-nos de publicá-lo, pois acreditamos que o bem que pode produzir compensará os poucos casos em que pessoas sem escrúpulos poderão usá-lo para um propósito errado.


V O L T A R