Make your own free website on Tripod.com

Resposta da Pergunta Nº 17:

Sim, há e de uma maneira muito fácil. O próprio consulente revelou a dificuldade principal ao dizer que a pessoa está combatendo incessantemente estes pensamentos. Usaremos de uma ilustração para melhor responder a esta pergunta.

Suponhamos que sentimos uma grande antipatia por certa pessoa com quem cruzamos na rua todos os dias, e por várias vezes. Se pararmos cada vez que a encontrar-mos e a repreendermos por estar andando naquela rua não se mantendo longe da nossa vista, estaremos reavivando o fogo do nosso inimigo, provocando-o, e ele poderá por puro despeito, procurar enredar-nos cada vez mais. Tanto a simpatia como a antipatia têm a tendência de atrair um pensamento ou uma idéia. A força do pensamento que emitimos para combater os pensamentos maldosos, mantê-los-á vivos, trazendo-os mais freqüentemente à nossa mente, da mesma forma que as alterações levarão a pessoa, com a qual antipatizamos, a prejudicar-nos. Se, ao invés de combatê-la, adotamos a tática da indiferença, se virarmos a cabeça para o outro lado ao encontrá-la na rua, ela logo se cansará de nos perseguir. Baseados no mesmo princípio, quando os pensamentos maldosos invadirem as nossas mentes, se os afastarmos com indiferença e concentrarmos a nossa atenção em algo que seja bom e encerre um ideal, descobriremos, em pouco tempo, que estamos livres da sua companhia e nutriremos apenas bons pensamentos.


V O L T A R