Make your own free website on Tripod.com

 

CAPÍTULO II - OS QUATRO REINOS

DIAGRAMA - Os Quatro Reinos

Os três Mundos do nosso planeta são atualmente o campo onde se processa a evolução de diversos reinos de vida em vários graus de desenvolvimento. Destes, só quatro nos interessam presentemente, a saber: o mineral, o vegetal, o animal e o humano.

Estes quatro reinos estão relacionados com os três Mundos de maneiras diferentes, de acordo com o progresso conseguido por esses grupos de vida evoluinte na escola da experiência. No que diz respeito à forma, os corpos densos de todos os reinos são compostos das mesmas substâncias químicas - sólidos, líquidos e gases da Região Química. O corpo denso do homem é um composto químico tanto quanto o da pedra, se bem que esta última esteja ocupada só pela vida mineral. Todavia, mesmo falando do ponto de vista puramente físico e deixando à margem qualquer outra consideração, notamos várias diferenças importantes se comparamos o corpo denso do ser humano com o mineral da Terra. O homem move-se, cresce e propaga a sua espécie, mas o mineral, em seu estado natural, nada disso pode fazer.

Comparando o homem com os vegetais verificamos que ambos, planta e homem, têm um corpo denso, capaz de crescer e propagar-se. Mas o homem tem faculdades que a planta não possui: sente, tem o poder de mover-se e perceber as coisas que estão fora dele.

Quando comparamos o homem com os animais constatamos que ambos possuem as faculdades da sensação, movimento, crescimento, propagação e senso de percepção. Mas o homem tem, ainda, a faculdade da linguagem, uma estrutura cerebral superior e as mãos, os quais são uma grande vantagem física. É de notar-se especialmente o desenvolvimento do polegar que torna a mão humana muitíssimo mais útil do que a do antropóide. O homem desenvolveu, além disso, uma linguagem definida com a qual expressa seus pensamentos e sentimentos. Tudo, enfim, situa o Corpo Denso do ser humano em uma classe à parte, mais avançada do que as dos três reinos inferiores.

Para compreender-se as diferenças entre os quatro reinos é preciso buscar-se nos mundos invisíveis as causas que dão a um reino o que a outros é negado.

Para funcionar-se em qualquer mundo e expressar-se as qualidades que lhe são peculiares, é necessário antes de tudo, possuir-se um veículo formado de sua matéria. Para funcionarmos no Mundo Físico denso precisamos de um Corpo Denso adaptado ao nosso ambiente. Se assim não fosse seríamos fantasmas, como geralmente dizem, e seríamos invisíveis à maioria dos seres físicos. Assim, também precisamos de um Corpo Vital para poder expressar vida, crescimento ou externar as outras qualidades pertinentes à Região Etérica.

Para expressar sentimentos e emoções é necessário ter um veículo composto de matéria do Mundo do Desejo. E para possibilitar o pensamento faz-se necessária a mente, formada por substância da Região do Pensamento Concreto.

Ao examinarmos os quatro reinos em relação à Região Etérica, constatamos que o mineral não possui corpo vital separado. Logo compreendemos a razão por que não pode crescer, propagar-se ou mostrar vida com sensações.

Como hipótese necessária para sustentar outros fatos conhecidos, a ciência materialista admite que no sólido mais denso, tanto quanto no gás mais rarefeito e atenuado, não se tocam sequer dois átomos; que existe um envoltório de éter ao redor de cada átomo; e que os átomos no universo flutuam em um oceano de éter.

O cientista ocultista sabe que isso é exato na Região Química, e que o mineral não possui um corpo vital de éter separado. E, como o éter planetário é o único que envolve os átomos do mineral, compreende-se então a diferença acima. Como já dissemos, é necessário ter um Corpo Vital, um Corpo de Desejos separados, etc., para poder expressar as qualidades correspondentes aos diferentes reinos, porque os átomos do Mundo do Desejo, do Mundo do Pensamento e até dos mundos superiores interpenetram o mineral, da mesma forma que interpenetram o Corpo Denso Humano. Se a interpenetração do éter planetário, o éter que envolve os átomos do mineral, fosse bastante para permitir-lhe sentir e propagar-se, sua interpenetração pelo Mundo do Pensamento planetário seria também suficiente para permitir-lhe pensar, o que não pode acontecer por faltar-lhe um veículo separado. O mineral é penetrado somente pelo éter planetário e é portanto incapaz de crescimento individual. Todavia, como o mais inferior dos quatro éteres - o Químico - é ativo no mineral, a ele são devidas as forças químicas nos minerais.

Considerando agora a planta, o animal e o homem em relação à Região Etérica, notamos que cada um deles tem um corpo vital separado, além de serem compenetrados pelo éter planetário que forma a Região Etérica. Existe, não obstante, uma diferença entre o corpo vital da planta e os corpos vitais do animal e do homem. No corpo vital da planta estão em plena atividade somente o Éter Químico e o Éter de Vida. Portanto, a planta pode crescer pela ação do Éter Químico e propagar a sua espécie mediante a atividade do Éter de Vida do Corpo Vital separado que possui. O Éter de Luz também está presente, embora parte latente, e o Éter Refletor falta por completo. Portanto, é óbvio que as faculdades sensoriais e a memória, que são qualidades desses éteres, não podem ser expressadas pelo reino vegetal.

Se dirigimos nossa atenção para o corpo vital do animal, constatamos que nele os éteres Químico, de Vida e de Luz são dinamicamente ativos. Consequentemente, o animal possui as qualidades de assimilação e crescimento, originadas pelas atividades do Éter Químico, e a faculdade de propagar-se por meio do Éter de Vida, comuns aos reinos vegetal e animal. Mas além disso, e devido a ação do terceiro ou Éter de Luz, ele tem as faculdades de gerar calor interno e de percepção sensorial. O quarto Éter, todavia, é inativo no animal, pelo que carece de pensamento e de memória. O que a isso se assemelha, é de natureza diferente, como adiante demonstraremos.

Quando analisamos o ser humano, vemos que os quatro éteres são dinamicamente ativos em seu altamente organizado Corpo Vital. Por meio das atividades do Éter Químico ele é capaz de assimilar o alimento e crescer; as forças ativas no Éter de Vida capacitam-no a propagar sua espécie; as forças no Éter de Luz suprem de calor seu Corpo Denso, atuam sobre seu sistema nervoso e músculos, abrindo-lhe assim as portas da comunicação com o mundo externo por meio dos sentidos; e o Éter Refletor capacita o Espírito a controlar seu veículo por meio do pensamento. Este éter armazena ainda experiências passadas sob a forma de memória.

O Corpo Vital da planta, do animal e do homem estende-se além da periferia do Corpo Denso, do mesmo modo que a Região Etérica, que é o Corpo Vital de um planeta, estende-se além da parte densa deste, o que demonstra, mais uma vez, a veracidade do axioma Hermético: "Como em cima, assim é embaixo". A distância dessa extensão do Corpo Vital do homem é cerca de uma polegada e meia. A parte que está fora do Corpo Denso é muito luminosa, e aparenta a cor da flor recém-aberta do pessegueiro. Ela é vista muitas vezes por pessoas que possuem certa clarividência involuntária. O autor verificou, ao falar com tais pessoas, que as mesmas, não crendo tratar-se de algo incomum, freqüentemente não compreendem o que vêem.

O Corpo Denso, construído na matriz do Corpo Vital durante a vida pré-natal, com uma exceção, é a cópia exata, molécula por molécula, do Corpo Vital. Assim como as linhas de força na água congelada são os condutores para a formação dos cristais de gelo, as linhas de força no Corpo Vital determinam a forma do Corpo Denso. Durante toda a vida o Corpo Vital é o construtor e restaurador da forma densa. Se não fosse pelo coração etérico, o coração denso romper-se-ia rapidamente em conseqüência da tensão que lhe impomos continuamente. Todos os abusos praticados com o Corpo Denso São neutralizados pelo Corpo Vital, tanto quanto é possível, o qual trava uma luta constante contra a morte do Corpo Denso.

A exceção referida consiste no fato de que o Corpo Vital do homem é feminino ou negativo, enquanto o da mulher é masculino ou positivo. Nisso reside a chave de numerosos e intrincados problemas da vida. A mulher dá vazão às suas emoções pela polaridade indicada devido ao seu Corpo Vital positivo que gera um excesso de sangue. Isso obriga-a a trabalhar sob enorme pressão interna, a qual romperia o envoltório físico se não houvesse uma válvula de segurança. Essa válvula é, por um lado, o fluxo periódico e, por outro, as lágrimas que em ocasiões especiais limitam a pressão, posto que são realmente uma "hemorragia branca

O homem pode ter - e tem - emoções tão fortes quanto as da mulher, mas geralmente ele é capaz de dominá-las sem lágrimas, pois seu Corpo Vital negativo não gera quantidade de sangue maior do que aquela que pode controlar com facilidade.

Contrariamente ao que sucede com os veículos superiores da humanidade, o Corpo Vital (salvo em certas circunstâncias que explicaremos adiante, quando chegarmos ao assunto "Iniciação") geralmente não abandona o Corpo Denso até o momento da morte. Então as forças químicas do Corpo Denso, já fora do domínio da vida evolutiva, tratam de restituir a matéria à sua condição primitiva, desintegrando-a e assim, tornando-a apta para a formação de outras formas na economia da Natureza. A desintegração, portanto, é devida à atividade das forças planetárias no Éter Químico.

A contextura do Corpo Vital pode ser, a grosso modo, comparada a essas molduras de quadros formados por centenas de pequenas peças de madeira que se encaixam e apresentam inumeráveis pontos ao observador. O Corpo Vital apresenta ao observador milhões de pontos. Estes pontos encaixam-se no interior dos átomos densos e, ao imbui-los de força vital, fazem-nos vibrar muito mais intensamente que os dos minerais da terra ainda não submetidos a essa aceleração e animação.

Quando uma pessoa está se afogando, ou caindo de uma grande altura, ou se enregela, o Corpo Vital abandona o Corpo Denso. Em conseqüência, os átomos deste tornam-se momentaneamente inertes. Quando a pessoa se reanima ou volta a si ele reentra no Corpo Denso, voltando os "pontos" minúsculos a introduzir-se nos átomos densos. A inércia dos átomos causa neles certa resistência ao reinicio da vibração, e essa é a causa da intensa sensação de formigamento que ocorre em tais ocasiões. Essa sensação normalmente não é notada pela mesma razão que temos consciência do parar ou começar a trabalhar de um relógio, mas não atentamos para o seu tictac enquanto trabalha.

Em certos casos o Corpo Vital deixa parcialmente o Corpo Denso como, por exemplo, quando a mão "adormece". Pode-se ver então a mão Etérica do Corpo Vital pendendo como uma luva, sob o braço denso. E os pontos, introduzindo-se novamente na mão física, causam o mesmo formigamento peculiar já referido. As vezes, na hipnose, a cabeça do Corpo Vital divide-se e pende para os lados da cabeça do Corpo Denso, metade sobre cada ombro, ou permanece em volta do pescoço como a gola de um suéter. A ausência do formigamento ao despertar deve-se ao fato de que, durante a hipnose, parte do Corpo Vital do hipnotizador substituiu parte do Corpo Vital da vítima.

Quando se usam anestésicos, o Corpo Vital é parcialmente expulso juntamente com os demais veículos superiores. Se a aplicação é excessiva, o Éter de Vida é expelido e a morte sobrevêm. O mesmo fenômeno pode ser observado nos médiuns materializantes. Na realidade a diferença entre o médium materializante e as pessoas comuns é a seguinte: no homem ou mulher comum os Corpos Vital e Denso, no atual estado da evolução, acham-se firmemente interligados um no outro, enquanto no médium essa conexão é mais fraca. Nem sempre foi assim, e tempo virá novamente em que o Corpo Vital poderá abandonar normalmente o Corpo Denso, mas presentemente esse processo ainda não se completou. Quando um médium permite que seu Corpo Vital seja usado por entidades do Mundo do Desejo que querem materializar-se, esse corpo geralmente "sai" pelo lado esquerdo - pelo baço - a sua "porta" particular. Então, não podendo as forças vitais fluírem por todo o corpo como habitualmente o fazem, o médium fica extenuado. Por isso alguns recorrem até ao uso de estimulantes para contrabalançar esses efeitos convertendo-se, com o tempo, em beberrões incuráveis.

A força vital do sol, que nos rodeia como um fluido incolor, é absorvida pelo Corpo Vital através da contraparte Etérica do baço, onde passa por uma curiosa transformação de cor. Torna-se rosa-pálido e se espalha pelos nervos, percorrendo todo o corpo denso. Em relação ao sistema nervoso, a força vital é o mesmo que a eletricidade para o telégrafo. Embora haja fios, aparelhos e telegrafistas, tudo em boa ordem, se não houver eletricidade será impossível enviar mensagens.

O Ego, o cérebro e o sistema nervoso podem estar aparentemente em perfeita ordem mas, se falta força vital para levar a mensagem do Ego através dos nervos aos músculos, o Corpo Denso permanecerá inerte. É precisamente isto o que sucede quando se paralisa uma parte do Corpo Denso, o Corpo Vital adoeceu e a força vital já não pode fluir. Em tais casos, como na maioria das enfermidades, a perturbação está nos veículos invisíveis. O reconhecimento deste fato, consciente ou inconscientemente, dá motivos a que médicos, dos mais famosos, empreguem a sugestão - atuando sobre os veículos superiores - como medicação auxiliar. Quanto mais fé e esperança o médico possa incutir no paciente, tanto mais rapidamente poderá desaparecer a doença e dar lugar à perfeita saúde.

Durante a saúde o Corpo Vital especializa uma superabundância de força vital que, depois de atravessar o Corpo Denso, irradia-se em linhas retas em todas as direções desde sua periferia, como os raios que se irradiam do centro de um círculo. Mas nos casos de doença o Corpo Vital atenua-se e então não pode absorver a mesma quantidade de força, para continuar alimentando o Corpo Denso. Então, as linhas do fluido vital que sobressaem do corpo curvam-se e decaem, mostrando a falta de força que se produziu. Em estado saudável, a grande força destas irradiações repele os germes e micróbios, inimigos da saúde do corpo denso, mas na enfermidade, quando a força vital é fraca, essas emanações não conseguem eliminar com a mesma facilidade os germes da doença. Portanto, é maior o perigo de contrair uma doença quando são baixas as forças vitais do que quando a saúde é robusta.

Nos casos de amputação de partes do Corpo Denso, o éter planetário é o único a acompanhar a parte separada. O Corpo Vital separado e o Corpo Denso desintegram-se sincronicamente após a morte. O mesmo sucede com a contraparte etérica do membro amputado: ir-se-á desintegrando gradualmente com o membro denso. Mas nesse ínterim o homem ainda conserva o membro etérico, daí sua asserção de que pode sentir seus dedos ou dores nos mesmos. Existe também uma conexão entre o membro sepultado e a sua contraparte etérica, independentemente da distância. Sabe-se do caso de um homem que sentiu uma dor aguda, algo assim como se lhe tivessem cravado um prego em sua perna amputada. A dor persistiu até que, exumada a perna, verificou-se que efetivamente nela tinha sido cravado um prego no momento de a encaixotarem para enterrar. Removido o prego, a dor cessou instantaneamente. Nas mesmas circunstâncias estão as pessoas que continuam a sofrer dor no membro amputado, mesmo decorridos dois ou três anos após a operação. Depois desse tempo a dor cessa. Isto é devido à permanência da enfermidade na parte etérica, não amputada. Mas, logo que a parte amputada se desintegra, o membro etérico também se desintegra, e a dor desaparece.

Tendo observado as relações dos Quatro Reinos com a Região Etérica do Mundo Físico, estudemos agora sua relação com o Mundo do Desejo.

Tanto os minerais quanto as plantas carecem de corpo de desejos separado. Estão compenetrados unicamente pelo Corpo de Desejos planetário ou seja, pelo Mundo do Desejo. Não possuindo veículo separado, são incapazes de sentir, de desejar, de emocionar-se, faculdades estas que pertencem ao Mundo do Desejo. A pedra nada sente quando é quebrada, mas seria errôneo deduzir-se que não há qualquer sentimento relacionado com tal ato. Esta é a opinião do materialista e da massa incompreensiva. O cientista ocultista sabe que não há ato algum, grande ou pequeno, que não seja sentido através do universo. Embora por falta de um corpo de desejos individual a pedra não possa sentir, o Espírito da Terra sente, porque é o seu corpo de desejos que compenetra a pedra. Se um homem corta o dedo, este não sente dor simplesmente por não ter corpo de desejos separado, mas o homem sente, porque seu corpo de desejos compenetra o dedo. Se uma planta é arrancada pela raiz, o Espírito da Terra sente de modo equivalente ao homem a quem arranquem um cabelo. A Terra é um corpo vivo e sensível. Todas as formas sem corpo de desejos separado, por meio do qual o espírito pode sentir, estão inclusas no corpo de desejos da Terra, e esse Corpo de Desejos possui sensibilidade. Quebrar uma pedra ou cortar uma flor causa prazer à Terra, ao passo que arrancar uma planta pela raiz causa sofrimento. A razão disto será esclarecida na última parte desta obra, pois neste ponto qualquer explicação seria incompreensível para a maioria dos leitores.

O Mundo do Desejo planetário pulsa através dos corpos denso e vital do animal e do homem, da mesma maneira que compenetra o mineral e a planta. Mas além disso o animal e o homem possuem corpos de desejos separados que capacitam-nos a sentir desejos, emoções e paixões. Contudo, existe uma diferença entre eles: o corpo de desejos do animal é inteiramente formado por matéria das regiões mais densas do Mundo do Desejo, enquanto no do homem, mesmo nas raças mais inferiores, um pouco da matéria das regiões superiores entra em sua composição. Os sentidos dos animais e das raças humanas inferiores focalizam-se quase inteiramente na satisfação dos desejos e paixões mais inferiores, cuja expressão se encontra na matéria das regiões inferiores do Mundo do Desejo. Por isso e para que possam ter emoções mais elevadas, educá-las e dirigi-las para objetivos superiores, necessitam da matéria correspondente em seus Corpos de Desejos. Á medida em que o homem progride na escola da vida suas experiências ensinam-no, e seus desejos se tornam melhores, mais puros. Desta forma, gradativamente, a matéria do Corpo de Desejos passa por uma correspondente modificação. A matéria mais pura e brilhante das regiões superiores do Mundo do Desejo substitui as cores sombrias da parte inferior. O Corpo de Desejos aumenta de tamanho, de modo que o de um santo torna-se verdadeiramente algo glorioso a ser observado, de transparência luminosa, e de uma pureza de cores incomparável, impossível de descrever. Só vendo-o é possível apreciá-lo.

Atualmente, na composição do Corpo de Desejos da grande maioria dos homens entra matéria das regiões superiores e inferiores. Ninguém é tão mau que não tenha algo de bom. Isto é expressão da matéria das regiões superiores que encontramos em seus Corpos de Desejos. Por outro lado, são muito poucos os tão bons que não empreguem alguma matéria das regiões inferiores.

Do mesmo modo que os Corpos Vital e de Desejos planetários interpenetram a matéria densa da Terra, como vimos no exemplo da esponja, da areia e da água, assim também os Corpos Vital e de Desejos interpenetram o corpo denso da planta, do animal e do homem. Mas, durante a vida, o Corpo de Desejos do homem não tem a mesma forma que seus Corpos Denso e Vital. Somente após a morte ele assume essa forma. Durante a vida tem simplesmente a aparência de um ovóide luminoso que, nas horas de vigília, envolve completamente o Corpo Denso, assim como no ovo a clara envolve a gema. Estende-se de doze a dezesseis polegadas além do Corpo Denso. Neste Corpo de Desejos existe certo número de centros sensoriais que ainda se encontram em estado latente na maioria dos homens. O despertar destes centros de percepção corresponde ao descerrar dos olhos no cego do nosso exemplo anterior. A matéria do Corpo de Desejos humano permanece em movimento continuo de incrível rapidez. Nem há nele um lugar estável para qualquer partícula, como no Corpo Denso. A matéria que num determinado momento está na cabeça, encontra-se nos pés ao instante seguinte, para voltar outra vez. Não há órgão algum no Corpo de Desejos, como nos Corpos Denso e Vital, mas há centros de percepção que ao entrarem em atividade parecem vórtices, sempre permanecendo na mesma posição em relação ao corpo denso. A maioria desses vórtices encontra-se em volta da cabeça. Na maioria das pessoas esses centros não passam de simples remoinhos, sem utilidade como meios de percepção. Podem ser despertados contudo, ainda que dos métodos usados dependem os resultados conseguidos.

No clarividente involuntário, desenvolvido no sentido negativo e impróprio, estes vórtices giram da direita para a esquerda ou seja, na direção oposta à dos ponteiros de um relógio.

No Corpo de Desejos do clarividente voluntário, devidamente desenvolvido, giram na mesma direção dos ponteiros de um relógio, fulguram esplendorosamente e ultrapassam muito a brilhante luminosidade do Corpo de Desejos comum. Estes centros, como meios de percepção das coisas no Mundo do Desejo, permitem ao clarividente voluntário ver e investigar à vontade, ao passo que as pessoas cujos centros giram da direita para a esquerda são como espelhos que refletem o que se passa em sua frente, e por isso mesmo incapazes de obter informações reais. A razão disto será explicada mais adiante, mas o que ficou dito, constitui uma das diferenças fundamentais entre um médium e um clarividente desenvolvido de modo apropriado. Para muitas pessoas é quase impossível distinguir entre ambos, mas existe uma regra que todo mundo pode seguir com plena confiança: Nenhum clarividente genuinamente desenvolvido utiliza-se de sua faculdade por dinheiro ou coisa equivalente, nem tampouco para satisfazer curiosidades, mas só e unicamente para ajudar a humanidade.

Quem quer que seja capaz de ensinar o método apropriado para o desenvolvimento dessa faculdade nunca cobrará nada, nem sequer por uma só lição. Os que pedem ou recebem dinheiro para exercer essa faculdade ou dar lições sobre ela, nada possuem que valha a pena pagar. A regra mencionada é guia seguríssimo e pode ser seguida com absoluta confiança.

Num futuro bastante longínquo o Corpo de Desejos do homem será organizado definitivamente, conforme atualmente estão os Corpos Vital e Denso. Quando esse estágio for alcançado todos teremos o poder de funcionar no Corpo de Desejos tal como funcionamos agora no Corpo Denso que, contrariamente ao Corpo de Desejos - o mais novo, por assim dizer - e o mais antigo e melhor organizado dos corpos do homem.

O Corpo de Desejos está radicado no fígado, assim como o Corpo Vital está no baço.

Em todos os seres de sangue quente, que possuem sensações, paixões e emoções - os quais se expressam no mundo com desejos - são os mais altamente desenvolvidos e os que realmente vivem em toda a extensão do termo, não vegetam meramente, em tais criaturas as correntes do Corpo de Desejos fluem do fígado para o exterior. A matéria de desejos flui continuamente em correntes que circulam ao longo de linhas curvas por todos os pontos da periferia do ovóide, e retornam ao fígado através de certo número de vórtices, assim como a água em ebulição flui continuamente para fora da fonte de calor, a ela retornando uma vez completado o ciclo.

As plantas são carentes deste princípio impulsivo e energético. Daí não poderem manifestar vida e movimento, conforme os organismos mais altamente desenvolvidos.

Onde há vitalidade e movimento, mas não sangue vermelho, não existe Corpo de Desejos separado. O ser encontra-se num estado de transição da planta para o animal, e portanto move-se totalmente sob o impulso do Espírito-grupo.

Nos animais de sangue frio, que têm fígado e sangue vermelho existe um Corpo de Desejos separado, e o Espírito-grupo dirige as correntes para dentro, porque neste caso o espírito separado (do peixe ou do réptil individual, por exemplo) está completamente fora do veículo denso.

Quando o organismo evolui ao ponto de o espírito separado poder começar a entrar em seus veículos, então (9 espírito individual) começa a dirigir as correntes para fora. E o princípio da existência passional e do sangue quente. O sangue vermelho e quente no fígado do organismo suficientemente evoluído para ter um espírito interno, o qual energiza as correntes de matéria de desejo que se exteriorizam, é que leva o homem e o animal a manifestar desejos e paixões. Nos animais, o espírito não está completamente dentro dos seus veículos. Isto só ocorrerá quando os pontos do Corpo Vital e do Corpo Denso se corresponderem, como se explica no Capitulo XII. Por esta razão o animal não é um "ser vivente", isto é, não vive tão completamente como o homem, nem é capaz de ter desejos e emoções tão sutis como as do homem, porque não tem plena consciência.

Os mamíferos atuais, encontram-se em plano superior ao do homem quando passou pela fase animal de sua evolução. Isto é devido a terem sangue vermelho e quente, o que naquele estágio o homem não possuía. Essa diferença de condição deve-se ao caminho em espiral da evolução. Isto explica ainda por que o homem é agora um tipo de humanidade superior à que formaram os Anjos atuais quando se encontravam no estágio chamado humano. Os mamíferos de hoje, que alcançaram sangue vermelho e quente e são pois capazes de, até certo ponto, experimentarem desejos e emoções, serão no Período de Júpiter um tipo de humanidade melhor e mais pura do que esta que atualmente somos. Todavia, alguns de nossa presente humanidade, mesmo no Período de Júpiter, serão abertamente malvados. Não poderão, como agora, ocultar suas paixões, mas serão desavergonhados em relação ao mal que estarão fazendo.

À luz desta exposição sobre as relações entre o fígado e a vida do organismo, é digno de nota o fato de que em várias línguas européias, (inglês, alemão e escandinavo) a palavra fígado (liver) significa tanto esse órgão do corpo quanto "aquele que vive

Dirigindo a nossa atenção à relação dos quatro reinos com o Mundo do Pensamento notamos que os minerais, os vegetais e os animais carecem de um veículo que os correlacione com esse Mundo. Todavia, sabemos que alguns animais pensam. Mas são eles os animais domésticos mais avançados que permaneceram gerações inteiras em estreito contato com o homem, despertando por isso mesmo faculdades que outros animais, desprovidos dessa vantagem, não possuem. Isto se baseia no mesmo princípio que faz com que um fio altamente carregado de eletricidade "induza" uma corrente mais fraca em outro que lhe esteja próximo, assim como um homem de forte moralidade pode despertar uma tendência parecida em outro de natureza mais débil, ou assim como este pode ser dominado pela influência negativa de caracteres malignos. Tudo quanto fazemos, dizemos, ou somos, reflete-se em torno de nós. Eis a razão por que pensam os mais avançados animais domésticos. Por serem os mais elevados de sua espécie, estão quase no ponto da individualização, e as vibrações da mente do homem têm "induzido" neles uma atividade similar, de ordem inferior. Com essas exceções, o reino animal não adquiriu ainda a faculdade de pensar. Não estão ainda individualizados. Isto é o que constitui a grande e importante diferença entre o homem e os demais reinos. O homem é um indivíduo. Os animais, os vegetais e os minerais dividem-se em espécies. Não estão individualizados no mesmo sentido em que se encontra o homem.

E certo que dividimos a humanidade em raças, tribos e nações, e que notamos a diferença entre os caucasianos, os negros, os indianos, etc.. Mas a questão não é esta. Se quisermos estudar as características do leão, do elefante ou de qualquer outra espécie de animais inferiores, é necessário apenas tomar qualquer exemplar da espécie. Conhecidas as características de um animal, conheceremos as características da espécie a que pertence. Todos os membros da mesma tribo animal são semelhantes. Isto é um fato. Um leão, ou seu pai ou seu filho, todos se assemelham, não há diferença alguma na maneira como poderão agir sob as mesmas circunstâncias. Todos têm as mesmas preferências e aversões; um é igual ao outro.

No entanto isto não acontece com os seres humanos. Se quisermos conhecer as características dos negros, não basta examinar um só indivíduo. Seria necessário examinar cada um individualmente e, ainda assim, não chegaríamos a conhecer realmente aos negros "como um todo". Isso simplesmente porque o que é uma característica do indivíduo não pode aplicar-se à raça coletivamente.

Se quisermos conhecer o caráter de Abraão Lincoln, de nada nos servirá estudar o caráter de seu pai, de seu avô, ou de seu filho, porque eles diferiam completamente entre si. Cada um tinha suas próprias peculiaridades totalmente distintas das idiossincrasias de Abraão Lincoln.

Por outro lado, podemos descrever os minerais, os vegetais e os animais se prestarmos atenção às características de um de cada espécie, enquanto nos seres humanos há tantas espécies quanto são os indivíduos. Cada pessoa, cada indivíduo, e uma espécie , e uma lei em si mesmo, inteiramente separado e distinto de qualquer outro indivíduo, tão diferente dos seus concidadãos como diferentes são duas espécies distintas do reino inferior. Podemos escrever a biografia de um homem, mas não a de um animal, porque não a poderia ter. Isto resulta de existir em cada homem um espírito individual, interno, que dita os pensamentos e ações de cada ser humano individual, enquanto existe apenas um "espírito-grupo", comum a todos os diferentes animais ou plantas da mesma espécie. O espírito-grupo atua sobre todos eles agindo de fora. O tigre que perambula nas florestas da índia, tanto quanto o tigre encerrado na jaula de um parque zoológico, são ambos expressões do mesmo espírito-grupo. A ambos influencia de maneira idêntica do Mundo do Desejo, um dos mundos internos, onde a distância quase não existe.

Os espíritos-grupo dos três reinos inferiores estão diferentemente situados nos mundos superiores, como veremos quando investigarmos a consciência dos diversos reinos. Mas, para compreender-se convenientemente as posições desses espíritos-grupo nos mundos internos, é necessário recordar-se e compreender-se claramente o que foi dito sobre todas as formas do mundo visível: são cristalizações de modelos e idéias dos mundos internos, conforme os exemplos do arquiteto e do inventor de máquinas. Assim como os sucos do corpo brando e viscoso do caracol se cristalizam na crosta dura que carrega sobre as costas, também os Espíritos nos mundos superiores cristalizam semelhantemente, fora de si mesmos, os corpos materiais, densos, dos diferentes Reinos.

Assim, os chamados corpos "superiores", tão refinados e sutis que chegam a ser invisíveis, não são de maneira alguma "emanações" do corpo denso. Os veículos densos de todos os reinos correspondem à concha do caracol que é a cristalização dos seus sucos. O caracol representa o espírito, e seus sucos em via de cristalização representam a mente, o corpo de desejos e o corpo vital. Estes diversos veículos foram emanados pelo espírito de si mesmo, com o propósito de adquirir experiência através deles. E o espírito que move o corpo denso à vontade, como o caracol move a sua concha, e não o corpo que governa os movimentos do espírito. Quanto mais estreitamente pode o espírito pôr-se em contato com o seu veículo, mais pode dominá-lo e expressar-se por seu intermédio, e vice-versa. Esta é a chave dos diferentes estados de consciência nos diferentes reinos. O estudo dos Diagramas 3 e 4 dará uma compreensão clara dos veículos de cada reino, da maneira como estão correlacionados com os diferentes mundos e dos estados de consciência resultantes.

DIAGRAMA 3

O Diagrama 3 mostra que o Ego separado é segregado definitivamente dentro do Espírito Universal na Região do Pensamento Abstrato, e que unicamente o homem possui a cadeia completa de veículos que o correlaciona com todas as divisões dos três mundos. O animal carece de um elo dessa cadeia: a mente; a planta carece de dois elos: a mente e o corpo de desejos; e o mineral carece de três dos elos da cadeia necessária para funcionar conscientemente no Mundo Físico: a mente, o corpo de desejos e o corpo vital.

A razão das várias deficiências é que o Reino Mineral é a expressão da última corrente de vida evolutiva; o Reino Vegetal é animado por uma onda de vida mais antiga no caminho evolucionante; a onda de vida do Reino Animal tem um passado mais antigo ainda; e o Homem, isto é, a vida que se expressa atualmente através da forma humana, tem atrás de si, a mais longa jornada de todos os quatro reinos, seguindo portanto, na dianteira. Em seu devido tempo as três ondas de vida que agora animam os três reinos inferiores alcançarão o estado humano, e nós teremos passado a um estado de desenvolvimento superior.

DIAGRAMA 4

Para compreendermos o grau de consciência que resulta da posse dos veículos empregados pela vida evolutiva nos quatro reinos, dirijamos nossa atenção ao Diagrama 4, onde vemos que o homem - o Ego, o Pensador - desceu à Região Química do Mundo Físico e aqui ordenando todos os seus veículos, obteve o estado de consciência de vigília e continua aprendendo a controlar esses veículos. Os órgãos do Corpo de Desejos e os da Mente não se desenvolveram ainda. O último nem sequer é ainda um corpo. Atualmente não é mais do que um simples elo, um envoltório, que o Ego usa como ponto focal. E o último dos veículos que se formaram. O espírito trabalha gradualmente da substância mais sutil à mais densa, construindo assim os veículos, primeiro em substância sutil e depois em substância cada vez mais densa. O Corpo Denso foi o primeiro a ser construído e chegou agora ao seu quarto grau de densidade; o Corpo Vital encontra-se em seu terceiro estágio; o Corpo de Desejos está no segundo, sendo portanto ainda como uma nuvem; e o envoltório mental é ainda mais sutil. Como esses veículos não desenvolveram ainda quaisquer órgãos, fica evidente que isolados seriam inúteis como veículos de consciência. Entretanto, o Ego penetra dentro do Corpo Denso, liga tais veículos sem órgãos com os centros físicos dos sentidos, e assim obtém o estado de consciência de vigília no Mundo Físico.

O estudante deve notar de modo especial que estes veículos superiores têm valor presentemente porque estão conectados com o Corpo Denso, cujo mecanismo é tão esplendidamente organizado. Desse modo não cometerá o erro, tão freqüente em muitas pessoas, de menosprezar o corpo denso ao saber que existem corpos superiores, dele falando como de coisa "grosseira" e 'vil" e dirigindo os olhos ao céu ansioso por abandonar logo este amálgama de barro terreno para voar nos seus "veículos superiores".

Tais pessoas, geralmente, não compreendem a diferença entre "superior" e "perfeito". Certamente o Corpo Denso é o veículo mais inferior no sentido de ser o mais pesado e por relacionar o homem com o mundo dos sentidos, com todas as limitações que isso implica. Mas como já dissemos, tem atrás de si um enorme período evolutivo, está em seu quarto grau de desenvolvimento e atingiu presentemente um maravilhoso e grandioso grau de eficiência. É o veículo melhor organizado de todos os que o homem possui agora e tempo virá em que alcançará a perfeição. O Corpo Vital está em seu terceiro grau evolutivo e menos organizado do que o Corpo Denso. O Corpo de Desejos e a mente são ainda, como se disse, meras nuvens - quase completamente inorganizados. Nos seres humanos mais inferiores estes veículos nem mesmo são ovóides definidos, mas sim formas indefinidas.

O Corpo Denso é um instrumento admiravelmente construído, o que pode ser comprovado por todo aquele que tenha a pretensão de conhecer a constituição do homem. Observe-se, por exemplo, o fêmur, o osso que suporta todo o peso do corpo. Sua parte externa é formada por uma delgada camada de osso compacto. A parte interna é fortalecida por feixes entrecruzados de osso celular, dispostos em maneira tão maravilhosa que a mais perfeita ponte ou obra de engenharia jamais poderiam chegar a formar um pilar de igual fortaleza com tão pouco peso. Os ossos do crânio são construídos de maneira semelhante, empregando-se sempre o mínimo de material e obtendo-se o máximo de fortaleza. Considere a sabedoria manifestada na construção do coração e diga-se, depois, se esse soberbo mecanismo pode ser menosprezado. O homem sábio é grato pelo seu Corpo Denso, e dele cuida da melhor maneira possível porque sabe que é presentemente o mais valioso dos seus instrumentos.

O espírito animal em sua descida alcançou somente o Mundo do Desejo. Não se desenvolveu ainda até o ponto de poder "entrar" em um Corpo Denso. Portanto, o animal não tem espírito interno individual, mas um Espírito-Grupo que o dirige de fora. O animal tem o Corpo Denso, o Corpo Vital e o Corpo de Desejos, mas o Espírito-Grupo que o dirige encontra-se fora. O Corpo Vital e o Corpo de Desejos do animal não estão completamente dentro do Corpo Denso, especialmente no que concerne à cabeça. Por exemplo, a cabeça etérica de um cavalo sobressai muito além e acima da cabeça densa. Quando, em raros casos, acontece de a cabeça etérica de um cavalo penetrar na cabeça do seu Corpo Denso, esse cavalo pode aprender a ler, a contar e a executar operações elementares de aritmética. Devido a esta peculiaridade os cavalos, os cães, os gatos e outros animais domésticos percebem o Mundo do Desejo, ainda que nem sempre distingam a diferença entre este e o Mundo Físico. Um cavalo pode se espantar ante uma figura invisível para o cavaleiro. Um gato pode tentar se esfregar em pernas invisíveis pois, ainda que veja o fantasma, não percebe que as pernas não são densas, nas quais se poderia esfregar. O cão, mais sábio que o cavalo e o gato, sente muitas vezes existir algo que não compreende quando vê surgir seu dono já falecido e não pode lamber-lhe as mãos. Uiva então lugubremente, indo deitar-se a um canto com o rabo entre as pernas. A seguinte ilustração talvez possa mostrar a diferença entre o homem, com seu espírito individual interno, e o animal com seu Espírito-Grupo.

Imaginemos um quarto dividido ao meio por uma cortina, um lado representando o Mundo do Desejo e o outro o Mundo Físico. Dois homens, um em cada divisão, não podem ver-se mutuamente. Mas na cortina há dez furos pequenos e o homem que se encontra na divisão que representa o Mundo do Desejo pode meter seus dez dedos por esses furos para o outro lado que representa o Mundo Físico. Isto pode dar uma excelente representação do espírito-grupo que está no Mundo do Desejo. Os dedos representam os animais pertencentes a uma espécie. Pode movê-los a seu gosto, mas não pode empregá-los tão livre e tão inteligentemente quanto o homem que se encontra na divisão física pode mover seu corpo. Este último vê os dedos que atravessam a cortina e observa que todos se movem, mas não pode ver a relação que existe entre eles. Para ele todos parecem separados e distintos uns dos outros. Não pode ver que são os dedos do homem que, atrás da cortina, governa seus movimentos com sua inteligência. Se fere um destes dedos, não é ferido somente o dedo, mas principalmente o homem que está por trás da cortina. Se um animal é ferido este sofre, mas não tanto quanto o Espírito-Grupo. O dedo, não tendo consciência individualizada, move-se conforme a vontade do homem, assim como os animais se movem sob os ditames do espírito-grupo. Ouve-se falar de "instinto animal" e de "instinto cego". Não existe essa coisa indefinida e vaga como instinto "cego". Não há nada "cego" na maneira como o espírito-grupo guia seus membros, mas há, isto sim, Sabedoria escrita com maiúscula. O clarividente treinado, quando funciona no Mundo do Desejo, pode comunicar-se com esses espíritos-grupo das espécies animais e constatar que são muito mais inteligentes do que uma grande porcentagem de seres humanos. Pode observar o maravilhoso tino que demonstram ao dirigir os animais, que são os seus corpos físicos.

E o espírito-grupo que reúne os bandos de aves no outono e os impele a emigrar para o sul, nem demasiado cedo nem demasiado tarde, para escapar ao sopro gelado do inverno. E é ele ainda quem os dirige de volta, na primavera, fazendo-os voar à altura adequada, altura que difere segundo as diferentes espécies.

O espírito-grupo do castor ensina-o a construir represas que cruzam a corrente no ângulo exatamente apropriado, considerando a velocidade da corrente e todas as demais circunstâncias, precisamente como faria um engenheiro experimentado, e demonstrando que está tão atualizado sobre cada particularidade do seu ofício quanto qualquer indivíduo tecnicamente preparado em universidade. E a sabedoria do espírito-grupo que dirige a construção da célula hexagonal da colmeia com tanta exatidão geométrica; que ensina o caracol a construir e formar sua casa em perfeita e bela espiral; que ensina o molusco do oceano a arte de decorar sua concha iridescente. Sabedoria, sabedoria por toda parte! tão grande, tão imensa, que o observador atento não pode deixar de sentir-se pleno de admiração e reverencia.

Neste ponto pode ocorrer naturalmente o pensamento: se o Espírito-Grupo é tão sábio, considerando o curto período de evolução do animal comparado com o do homem, por que não manifesta este último uma sabedoria muito maior? Por que deve o homem ser ensinado a construir represas e geometrizar, enquanto o espírito-grupo faz tudo isso sem ter sido ensinado?

A resposta a tais perguntas está relacionada com a descida do Espírito Universal na matéria de densidade sempre crescente. Nos Mundos Superiores, onde os seus veículos são poucos e mais sutis, ele se acha em estreito contato com a Sabedoria Cósmica, que se revela de modo tão sublime no Mundo Físico, porém, conforme o espírito desce, a luz da sabedoria torna-se temporariamente mais e mais empanada até quase desvanecer-se totalmente no mais denso de todos os mundos.

Uma ilustração tornará isto mais claro. A mão do homem é o seu servo mais valioso; sua destreza permite-lhe responder à mais ligeira ordem. Em algumas profissões, tais como a de caixa de bancos, o delicado tato das mãos torna-se tão sensível que ele é capaz de distinguir uma moeda falsa de uma verdadeira. Isto se processa tão maravilhosamente que quase se pode pensar que a mão foi dotada de inteligência individual.

Sua maior eficiência porém, revela-se talvez na reprodução da música, pois é capaz de reproduzir as mais formosas melodias que embevecem a alma. O tato delicado e acariciante da mão extrai do instrumento os mais suaves acordes na linguagem da alma, dizendo suas tristezas, alegrias, esperanças, temores e anseios, de uma maneira que só a música pode fazê-lo. E a linguagem do mundo celeste, o verdadeiro lar do espírito, e apresenta-se à chispa divina aprisionada na carne, como a mensagem de sua terra natal. A música impressiona a todos, sem levar em conta raça, credo ou qualquer outra distinção mundana. E quanto mais elevado e espiritual é o indivíduo, tanto mais claro ela lhe fala. Mesmo o indivíduo mais rude não fica impassível ao ouvi-la.

Imaginemos agora um mestre de música que vestis-se luvas muito finas e tentasse tocar seu violino. Notaríamos logo que seu tato delicado tornar-se-ia menos sutil. A alma da música ter-se-ia afastado. Se colocasse outro par de luvas mais grossas por cima do primeiro par, suas mãos ficariam tolhidas a tal ponto que provavelmente criariam uma desarmonia ao invés da harmonia original dos acordes. Se por último pusesse outro par de luvas mais pesadas sobre os já postos, ele ficaria temporária e totalmente incapaz de tocar. Então aquele que não o tivesse ouvido anteriormente sem as luvas, diria por certo ser impossível que tal professor pudesse tocar formosas melodias, especialmente se ignorasse o empecilho nas mãos dele.

Ora, o mesmo acontece com o Espírito: cada passo para baixo, cada descida para a matéria mais densa é para ele o mesmo que para o músico seria vestir as luvas. Cada passo para baixo limita seu poder de expressão, mas acostuma-se a essas limitações e encontra seu foco, do mesmo modo que o olho encontra seu foco depois de entrar numa casa escura em dia claro de verão. Ao brilho do sol a pupila contrai-se dentro do seus limites. Assim, ao entrar na casa tudo parece escuro, mas conforme a pupila se dilata e admite a luz, o homem pode ver tão bem na escuridão da casa como via à luz do Sol.

O objetivo da evolução humana é capacitar o Espírito a encontrar seu foco no Mundo Físico, onde atualmente a luz da Sabedoria parece embaçada. Mas em seu devido tempo, quando tenhamos "encontrado a luz", a sabedoria do homem brilhará francamente através de seus atos, ultrapassando em muito a sabedoria manifestada pelo espírito-grupo do animal.

Além disso devemos fazer distinção entre o espírito-grupo e os espíritos virginais da onda de vida que atualmente se expressa como animais. O espírito-grupo pertence a uma evolução diferente e é o guardião dos espíritos animais.

O Corpo Denso em que funcionamos é composto de inúmeras células, tendo cada uma sua consciência celular separada, ainda que de ordem inferior. Enquanto essas células fazem parte do nosso corpo estão sujeitas e dominadas por nossa consciência. Um espírito-grupo animal funciona num corpo espiritual, que é seu veículo inferior. Este veículo compõe-se de um número variável de espíritos virginais, imbuídos durante esse tempo da consciência do espírito-grupo. Este último dirige os veículos construídos pelos espíritos virginais, cuidando deles e ajudando-os a aperfeiçoar esses veículos. Conforme aqueles que estão a seu cargo evoluem, o espírito-grupo também evolui. Sofre assim uma série de metamorfoses, de modo idêntico àquele pelo qual crescemos e ganhamos experiência por introduzirmos em nosso organismo as células do alimento que comemos, elevando também dessa maneira - e por indução temporária - a sua consciência.

Assim, o Ego separado e auto-consciente que se encontra em cada corpo humano dirige as ações do seu veículo particular, enquanto o espírito do animal, separado mas ainda não individualizado nem auto-consciente, forma parte do veículo de uma entidade com consciência própria pertencente a uma evolução diferente - o Espírito-Grupo.

Este espírito-grupo dirige as ações animais em harmonia com a lei cósmica, até que os espíritos virginais a seu cargo tenham adquirido consciência própria e se tornado humanos. Então, gradualmente começarão a manifestar vontade própria, libertando-se cada vez mais do espírito-grupo e tornando-se responsáveis pelos seus próprios atos. Contudo, o espírito-grupo continua a influenciá-los (ainda que em grau decrescente) como espírito de raça, de tribo, de comunidade ou de família, até que cada indivíduo torne-se capaz para agir em plena harmonia com a lei cósmica. Só então o Ego se libertará e se tomará inteiramente independente do Espírito-Grupo, que por sua vez entrará numa fase superior de evolução.

A posição ocupada pelo Espírito-Grupo no Mundo do Desejo dá ao animal uma consciência diferente da do homem, que tem uma consciência de vigília clara e definida, pelo que vê as coisas fora de si nítida e distintamente. Devido ao caminho evolutivo em espiral, os animais domésticos mais avançados, particularmente o cão, o cavalo, o gato e o elefante, vêem os objetos quase que da mesma maneira, embora não tão claramente definidos. Todos os outros animais têm uma "consciência pictórica" interna parecida ao sonho do homem. Quando um desses animais encara um objeto, percebe imediatamente dentro de si uma imagem, acompanhada de uma forte impressão de malefício ou benefício para ele. Se o sentimento é de medo, associa-se a uma sugestão do espírito-grupo de como escapar ao perigo iminente. Este estado de consciência negativo facilita ao espírito-grupo guiar por sugestão os corpos densos das espécies a seu cargo, já que os animais não têm vontade própria.

O homem não pode ser manejado tão facilmente de fora, seja ou não com o seu consentimento. Conforme a evolução progride e sua vontade se desenvolve de modo crescente, menos acessível ele se torna à sugestão externa e mais se liberta para agir a seu talante, sem levar em conta a sugestão alheia. Esta é a diferença capital entre o homem e os seres dos outros reinos. Estes agem de acordo com a lei e sob os ditames do espírito-grupo (que chamamos instinto), enquanto o homem se converte gradativamente numa lei em si mesmo. Não perguntamos ao mineral se ele quer ou não se cristalizar, nem à flor se quer ou não florescer, nem ao leão se deixará ou não de devorar. Todos estão, tanto nas grandes quanto nas pequenas coisas, sob o domínio absoluto do espírito-grupo, pois carecem de iniciativa e livre arbítrio, o que em certo grau são atributos de todo ser humano. Todos os animais da mesma espécie aparentam ser quase iguais porque emanam do mesmo espírito-grupo, enquanto que entre as quinze centenas de milhões de seres humanos que povoam a Terra não há dois que pareçam exatamente iguais, nem sequer os gêmeos quando adolescentes, porque a estampa que seu Ego individual interno põe sobre cada um produz a diferença, tanto na aparência quanto no caráter.

Todos os bois pastam erva e todos os leões comem carne, mas "aquilo que é alimento para um homem pode ser veneno para outro". Isto é mais uma ilustração da absoluta influência do espírito-grupo. Tal influência contrasta com a do Ego, que faz cada ser humano necessitar de uma porção de alimento diferente da que precisa outro. Os médicos notam, com perplexidade a mesma peculiaridade ao administrar medicamentos. O mesmo medicamento atua diferentemente Sobre cada indivíduo, enquanto em dois animais da mesma espécie produz sempre efeitos idênticos. Isto se dá porque todos os animais seguem os ditames do Espírito-Grupo e Lei Cósmica, agindo sempre semelhantemente sob circunstâncias idênticas. Somente o homem pode, até certo ponto seguir seus próprios desejos dentro de limites determinados. É certo que seus erros são muitos e graves, o que leva muitas pessoas a julgar que melhor seria que o homem fosse obrigado a seguir o caminho reto. Mas se assim fosse nunca aprenderia a retidão. As lições de discernimento entre o bem e o mal não podem ser aprendidas sem o exercício da livre escolha do próprio caminho, e sem que se aprenda a rejeitar o erro como uma verdadeira "matriz de dor". Se agisse com retidão apenas por não ter outra alternativa nem oportunidade de agir diferentemente, ele seria um autômato e não um Deus em evolução. Como o construtor aprende pelos seus erros, corrigindo-os nas edificações futuras, assim também o homem, através de seus tropeços e das dores que produzem, alcança uma sabedoria superior à do animal (por ser auto-consciente) o qual só atua sabiamente porque a isso é impelido pelo espírito-grupo. No devido tempo o animal alcançará o estado humano, terá liberdade de escolha, cometerá erros e por eles aprenderá, tal como acontece atualmente conosco.

O Diagrama 4 mostra que o Espírito-Grupo do reino vegetal tem seu veículo inferior na Região do Pensamento Concreto. Estando a dois graus do seu veículo denso, a consciência das plantas corresponde ao sono sem sonhos. O Espírito-Grupo do mineral tem seu veículo inferior na Região do Pensamento Abstrato, estando portanto a três passos afastado do seu Corpo Denso. Consequentemente encontra-se em estado de inconsciência profunda, parecida à condição de transe.

Acabamos de mostrar que o homem é um espírito individual interno, um Ego separado de qualquer outra entidade, que dirige e trabalha um conjunto de veículos de dentro. Mostramos também que os vegetais e animais são dirigidos de fora por um espírito-grupo que tem jurisdição sobre certo número de animais ou vegetais em nosso Mundo Físico. Estão pois, separados somente na aparência.

As relações das plantas, dos animais e do homem com as correntes de vida na atmosfera terrestre são representadas simbolicamente pela cruz. O Reino Mineral não está representado porque, conforme vimos, não possui corpo vital individual e, portanto, não pode ser o veículo de correntes que pertencem aos reinos superiores. Platão, que foi um iniciado e freqüentemente emitia verdades ocultas, disse: "A Alma do Mundo está crucificada".

O madeiro inferior da Cruz indica a planta, que tem suas raízes no solo químico, mineral. Os espíritos-grupo das plantas estão no centro da Terra. Como devemos recordar, acham-se na Região do Pensamento Concreto que, como os outros mundos, interpenetra a Terra. Destes espíritos-grupo emanam fluxos ou correntes em todas as direções para a periferia da Terra, exteriorizando-se através e ao longo das plantas ou árvores.

O homem é representado pela haste superior da cruz: uma planta invertida A planta absorve seus alimentos pelas raízes. O homem recebe-os pela cabeça. A planta dirige seus órgãos de geração para o Sol. O homem, a planta invertida, volve-os para o centro da terra. Enquanto a planta é sustentada pelas correntes espirituais do espírito-grupo desde o centro da terra, as quais nela penetram pela raiz, o homem, como mais tarde mostraremos, recebe do Sol a influência espiritual mais elevada pela cabeça, como planta invertida que é, já que o Sol lhe envia seus raios de cima para baixo. A planta absorve o venenoso dióxido de carbono expirado pelo homem e exala, em troca, o vivificante oxigênio que este utiliza.

O animal, simbolizado pelo madeiro horizontal da cruz, está entre a planta e o homem. Sua espinha dorsal é horizontal, e através dela passam as correntes do espírito-grupo animal que circulam em torno da Terra.

Nenhum animal pode permanecer em posição vertical, porque nessa posição as correntes do espírito-grupo não podiam guiá-lo. Morreria por não estar suficientemente individualizado ao ponto de suportar as correntes espirituais que penetram através da medula espinhal humana. O veículo de expressão de um Ego individual necessita possuir três coisas:

a marcha em posição vertical, para pôr-se em contato com as correntes mencionadas; a laringe vertical, por ser tal laringe a única capaz de falar (os papagaios e estorninhos são exemplos de laringe vertical); e, em virtude das correntes solares, deve ter sangue quente. Este último é da maior importância para o Ego, o que, logicamente, será explicado e ilustrado mais adiante. Tais requisitos são aqui mencionados apenas como remate final sobre a posição dos quatro reinos em relação um ao outro e aos diversos Mundos.

 

Correntes do Corpo de Desejos Clarividente Voluntário

Correntes do Corpo de Desejos do Clarividente Involuntário

Correntes do Corpo de Desejos do Homem Comum

DIAGRAMA 3 - Veículos de cada reino e a forma pela qual se correlacionam com os difentes mundos.

DIAGRAMA 4 - Estados de consciência de cada reino

CAPÍTULO III - O HOMEM E O MÉTODO DE EVOLUÇÃO

 

VOLTAR

CRC-INDICE

BIBLIOTECA ONLINE

MAPA DO SITE