Make your own free website on Tripod.com

 

 

RECAPITULAÇÃO

 

Antes de iniciar-se a atividade em qualquer Período, é feita uma recapitulação de tudo o que antes foi feito. Devido à espiral do caminho evolutivo, esta atividade processa-se de cada vez em um grau superior do que o estado de progresso que se recapitula. Esta necessidade tornar-se-á evidente ao descrevermos o trabalho dessa recapitulação.

A primeira Revolução de qualquer período é uma recapitulação do trabalho efetuado sobre o Corpo Denso no Período de Saturno. Entre os Rosacruzes é denominada "Revolução de Saturno".

O segundo Período é o Período Solar, e portanto a segunda Revolução de qualquer período subseqüente ao Período Solar deve ser a "Revolução Solar".

O terceiro Período é o Período Lunar, por isso a terceira Revolução de qualquer Período seguinte deve ser uma recapitulação da obra efetuada no Período Lunar, chamando-se, pois, "Revolução Lunar".

A atividade própria do Período só começa quando termina o trabalho de recapitulação das respectivas Revoluções. Por exemplo, no atual Período Terrestre, já se efetuaram três Revoluções e meia. Isto significa que na primeira, ou Revolução de Saturno do Período Terrestre, repetiu-se o trabalho efetuado no Período de Saturno, porém em grau superior. Na segunda, ou Revolução Solar, repassou-se a obra executada no Período Solar. Na terceira, ou Revolução Lunar, repetiu-se o trabalho efetuado no Período Lunar, e unicamente na quarta - a Revolução atual - começou o verdadeiro trabalho do Período Terrestre.

No último dos sete Períodos - o Período de Vulcano - somente a última Revolução será dedicada à obra real desse Período. Nas seis Revoluções anteriores será recapitulado o trabalho efetuado nos seis Períodos precedentes.

Além disso (e isto ajudará a memória do estudante de modo especial), a Revolução de Saturno em qualquer Período refere-se sempre ao desenvolvimento de alguma nova parte do Corpo Denso, por ter este começado seu desenvolvimento numa primeira Revolução. Também qualquer sétima Revolução, ou Revolução de Vulcano, desenvolve especialmente alguma atividade relacionada com o Espírito Divino, porque o seu desenvolvimento iniciou-se numa sétima Revolução. De igual modo veremos que há uma relação entre as diferentes Revoluções e todos os veículos humanos.

O PERÍODO SOLAR

As condições durante o Período Solar diferiam radicalmente das do Período de Saturno. Em lugar dos "Globos-Calor" do último, os Globos do Período Solar eram esferas luminosas, brilhantes, de consistência análoga à dos gases. Estas grandes esferas gasosas continham tudo que havia sido desenvolvido no Período de Saturno e, analogamente, as Hierarquias criadoras permaneciam em sua atmosfera.

Em vez da qualidade refletora, semelhante ao eco, do Período de Saturno, esses Globos tinham, até certo ponto a propriedade de absorver e trabalhar sobre qualquer imagem ou som que se projetasse sobre sua superfície. Pode-se dizer que eram coisas sensíveis . A Terra sente, embora não o pareça, e o materialista poderá zombar de semelhante idéia, mas o ocultista sabe que a Terra sente tudo o que está em cima e dentro dela. Esse Globo luminoso era muito mais sensitivo que a Terra, porque não estava limitado por condições materiais tão duras e tão densas como as da nossa habitação atual.

A vida naturalmente era diferente, porque formas tais como as que conhecemos não podiam existir ali. A vida, porém, pode expressar-se em formas gasosas ígneas tão bem, ou melhor ainda, do que em formas compostas por matéria química dura, tais como são presentemente os Corpos Densos dos minerais, vegetais, animais e homens.

Quando a vida evolucionante apareceu no Globo A na Primeira ou Revolução de Saturno do Período Solar, estava ainda a cargo dos Senhores da Chama, que em meados da última Revolução do Período de Saturno tinham despertado no homem o germe do Espírito Divino.

Eles tinham dado anteriormente o germe do Corpo Denso e na primeira metade da Revolução de Saturno do Período Solar incumbiram-se de fazer nele alguns melhoramentos.

No Período Solar iniciou-se a formação do Corpo Vital, implícitas todas as possibilidades para assimilação, crescimento, propagação, glândulas, etc..

Os Senhores da Chama incorporaram no germe do Corpo Denso unicamente a capacidade de desenvolver os órgãos dos sentidos. No tempo que estamos considerando foi necessário alterar o germe de maneira a permitir sua interpenetração por um Corpo Vital e também a capacidade de desenvolver glândulas e o tubo digestivo. Esta alteração efetuou-se graças à ação conjunta dos Senhores da Chama, que deram o germe original, e dos Senhores da Sabedoria, que tomaram a seu cargo a evolução material no Período Solar.

Os Senhores da Sabedoria, menos evoluídos que os Senhores da Chama, trabalharam para completar sua própria evolução. Por isso receberam ajuda de uma ordem de exaltados Seres que, como os Senhores da Chama, agiram voluntária e livremente. Na linguagem esotérica são chamados "Querubins". Estes exaltados Seres, porém, não começaram sua atividade enquanto não foi necessário despertar o germe do segundo princípio espiritual do homem em formação, já que os Senhores da Sabedoria eram capazes de executar o trabalho relacionado com o Corpo Vital, que tinha de ser agregado à constituição do homem no Período Solar, mas não podiam despertar o segundo princípio espiritual.

Quando os Senhores da Chama e os Senhores da sabedoria reconstruíram conjuntamente o Corpo Denso germinal na Revolução de Saturno do Período Solar, os Senhores da Sabedoria, na segunda Revolução, iniciaram o trabalho correspondente ao Período Solar: irradiaram de seus próprios corpos o germe do Corpo Vital, tornando-se capaz de interpenetrar o Corpo Denso e dando-lhe a capacidade de ulterior crescimento, propagação e excitamento do centro dos sentidos do Corpo Denso para que este se movimentasse. Em suma, proporcionaram ao Corpo Vital, em germe, todas as faculdades que estão agora se desenvolvendo a fim de convertê-lo num perfeito e maleável instrumento para o uso do espírito.

Esse trabalho ocupou as segunda, terceira, quarta e quinta Revoluções do Período Solar. Na sexta Revolução os Querubins entraram em ação e despertaram no homem o germe do segundo aspecto do tríplice espírito - o Espírito de Vida. Na sétima e última Revolução o recém-despertado germe do Espírito de Vida foi ligado ao Espírito Divino germinal, processo que se completou depois.

Recordemos que no Período de Saturno nossa consciência era semelhante à condição de transe. Por meio das atividades desenvolvidas no Período Solar, esta foi modificada até converter-se em consciência análoga à do sono sem sonhos.

A evolução no Período Solar agregou à constituição do evolucionante homem embrionário, o imediatamente superior e o imediatamente inferior dos seus veículos atuais. Ao fim do Período de Saturno o homem possuía, em germe, um Corpo Denso e um Espírito Divino. Ao terminar o Período Solar possuía, em germe, o Corpo Denso, o Corpo Vital, o Espírito Divino e o Espírito de Vida, isto é, um duplo espírito e um duplo corpo.

Notemos também que, estando a primeira Revolução de qualquer Período - ou Revolução de Saturno - relacionada com o trabalho feito no Corpo Denso (porque este teve início em uma primeira Revolução), assim também a segunda de qualquer Período - ou Revolução Solar - relaciona-se com o melhoramento do Corpo Vital, porque este começou em uma segunda Revolução. De maneira análoga a sexta Revolução de qualquer Período é dedicada ao trabalho sobre o Espírito de Vida, e qualquer sétima Revolução diz respeito particularmente aos assuntos inerentes ao Espírito Divino.

No Período de Saturno o homem em formação atravessou a existência num estado equivalente ao mineral. Isto é, teve um Corpo Denso somente no sentido em que o tem o mineral. Sua consciência era também parecida à dos minerais atuais.

Da mesma maneira, e por análogas razões, pode-se dizer que no Período Solar o homem atravessou a existência vegetal. Tinha um Corpo Denso e um Corpo Vital, identicamente às plantas. Sua consciência, como a destas, era a de sono sem sonhos. O estudante compreenderá plenamente esta analogia estudando o Diagrama 4, no Capítulo intitulado Os Quatro Remos. Nele se mostram, esquematicamente, os veículos de consciência que possuem os minerais, as plantas, os animais e o homem, e a consciência particular que resulta de sua posse em cada caso.

Quando terminou o Período Solar houve outra Noite Cósmica de assimilação, juntamente com a atividade subjetiva necessária, antes de iniciar-se o Período Lunar. Foi de igual duração à do Período de manifestação objetiva que a precedeu.

O PERÍODO LUNAR

Assim como a característica principal dos escuros Globos do Período de Saturno foi descrita pelo termo "Calor", e a dos Globos do Período Solar como "Luz", ou calor resplandecente, assim a característica principal dos Globos do Período Lunar pode ser descrita como "Umidade". O ar, tal como o conhecemos, não existia então. No centro estava o núcleo ígneo, ardente. Próximo a ele e em conseqüência de contato com o frio do espaço exterior, havia umidade densa. Pelo contato com o núcleo ígneo central essa umidade densa transformava-se em vapor quente, que se lançava para a periferia, esfriava e tornava ao centro novamente. Por isso os cientistas ocultistas chamam "Água" aos Globos do Período Lunar, e descrevem a atmosfera daquele tempo como "Névoa Ígnea". Este foi o cenário do novo passo da vida evolucionante.

No Período Lunar o objetivo era adquirir o germe do Corpo de Desejos e iniciar a atividade germinal do terceiro aspecto do tríplice espírito no homem - o Espírito Humano - o Ego.

Em meados da sétima Revolução do Período Solar os Senhores da Sabedoria encarregaram-se do Espírito de Vida germinal, dado pelos Querubins na sexta Revolução do Período Solar. Fizeram isso com o objetivo de vinculá-lo ao Espírito Divino. Seu maior grau de atividade nessa obra foi alcançado na Noite Cósmica entre os Períodos Solar e Lunar. Ao iniciar-se o Período Lunar, quando a onda de vida partia para sua nova peregrinação, reapareceram os Senhores da Sabedoria, trazendo consigo os veículos germinais do homem em evolução. Na primeira Revolução ou de Saturno, do Período Lunar, eles cooperaram com os "Senhores da Individualidade", que se encarregaram especialmente da evolução material do Período Lunar. Juntos reconstruíram o germe do Corpo Denso, trazido do Período Solar. Este germe havia desenvolvido órgãos sensoriais, digestivos, glândulas etc., em estado embrionário, e estava interpenetrado por um Corpo Vital germinal que difundia certo grau de vida no Corpo Denso embrionário. Evidentemente não era sólido e visível tal como é agora, ainda que, até certo ponto, estivesse um tanto organizado, sendo porém perfeitamente visível e distinto para a clarividência desenvolvida do investigador competente, o qual esquadrinha a Memória da Natureza com o objetivo de conhecer esse remoto passado.

No Período Lunar foi necessário reconstruir o Corpo Denso para capacitá-lo a ser interpenetrado por um Corpo de Desejos, e também ser capaz de desenvolver um sistema nervoso, músculos, cartilagens e um esqueleto rudimentar. Esta obra de reconstrução foi efetuada na Revolução de Saturno do Período Lunar.

Na segunda, ou Revolução Solar, o Corpo Vital foi também modificado para capacitá-lo a ser interpenetrado por um Corpo de Desejos, bem como para acomodá-lo ao sistema nervoso, músculos, esqueleto etc.. Os Senhores da Sabedoria, que foram os originadores do Corpo Vital, ajudaram também aos Senhores da Individualidade nesse trabalho.

Na terceira Revolução começou o trabalho próprio do Período Lunar. Os Senhores da Individualidade irradiaram de si a substância com que ajudaram o inconsciente homem evolucionante a construir e adaptar-se a um Corpo de Desejos germinal. Ajudaram-no também a incorporar este Corpo de Desejos germinal ao conjunto Corpo Vital - Corpo Denso que já possuía. Este trabalho foi todo efetuado durante as terceira e quarta Revoluções do Período Lunar.

Como antes procederam os Senhores da Sabedoria, assim agiram os Senhores da Individualidade: se bem que muito superiores ao homem, trabalharam nele e sobre ele, a fim de completarem sua própria evolução. Ainda que fossem capazes de lidar com o veículo inferior, eram impotentes em relação ao superior. Não podiam dar o impulso espiritual necessário para despertar o terceiro aspecto do tríplice espírito no homem. Por isso outra classe de Seres, que estava além da necessidade de se desenvolver numa evolução tal como a nossa - e que também agiu voluntária e livremente, como a dos Senhores da Chama e a dos Querubins - veio ajudar o homem durante a quinta Revolução do Período Lunar. São chamados "Serafins", e despertaram o germe do terceiro aspecto do espírito - o Espírito Humano.

Na sexta Revolução do Período Lunar reapareceram os Querubins, os quais cooperaram com os Senhores da Individualidade para vincular o recém-adquirido germe do Espírito Humano ao Espírito de Vida.

Na sétima Revolução do Período Lunar os Senhores da Chama voltaram a ajudar o homem, cooperando com os Senhores da Individualidade para vincular o Espírito Humano ao Espírito Divino. Dessa forma o Ego separado - o Tríplice Espírito - veio à existência.

Antes do princípio do Período de Saturno, os Espíritos Virginais, atualmente homens, estavam no Mundo dos Espíritos Virginais. Eram "Todo-Conscientes" como Deus, em Quem (não de Quem), se diferenciavam. Contudo não eram "autoconscientes". A aquisição dessa faculdade é, em parte, o objetivo da evolução, que submerge os Espíritos Virginais num oceano de matéria de crescente densidade, o que os priva por fim da consciência do Todo.

Dessa maneira, no Período de Saturno os Espíritos Virginais foram submersos no Mundo do Espírito Divino e encerrados em tênue envoltura da substância desse Mundo, no qual penetraram parcialmente por meio da ajuda dos Senhores da Chama.

No Período Solar os Espíritos Virginais foram submersos no Mundo do Espírito de Vida, ainda mais denso, ficando assim mais cegos para a consciência do Todo, envolvidos como estavam por um segundo véu da substância desse Mundo. E nesse segundo véu penetraram parcialmente ainda com a ajuda dos Querubins. O sentimento de Unidade com o Todo também não foi perdido porque o Mundo do Espírito de Vida é um mundo universal, que é comum e interpenetra todos os planetas de um Sistema Solar.

No Período Lunar, porém, os Espíritos Virginais aprofundando-se mais em matéria ainda mais densa, entraram na Região do Pensamento Abstrato, onde se lhes agregou o mais opaco dos seus véus, o Espírito Humano. Daí em diante o Espírito Virginal perdeu a consciência do Todo. Não mais podendo descerrar seus véus para observar as coisas exteriores e perceber os outros, viu-se forçado a dirigir sua consciência para o centro, ali encontrando a si próprio como Ego, separado e à parte de todos dos outros.

E assim o Espírito Virginal viu-se encerrado num tríplice véu, sendo o véu externo, o Espírito Humano, o que efetivamente o cegou à unidade da Vida, convertendo-o em um Ego e mantendo a ilusão de separatividade adquirida durante a Involução. A Evolução dissolverá gradualmente essa ilusão, trazendo de volta a consciência do todo, enriquecida pela consciência de Si mesmo.

Vemos, pois, que ao terminar o Período Lunar o Homem possuía um Tríplice Corpo em vários estágios de desenvolvimento, e também o germe do Tríplice Espírito. Tinha os Corpos Denso, Vital e de Desejos, e os Espíritos Divino, de Vida e Humano. Tudo o que faltava era um elo que os unisse.

Já foi dito que o homem atravessou o estado mineral no Período de Saturno, e o do vegetal no Período Solar. Sua peregrinação através das condições do Período Lunar corresponde à fase de existência animal, pelas mesmas razões aplicáveis aos dois símiles anteriores. Portanto neste Período ele tinha os Corpos Denso, Vital e de Desejos, como os têm os nossos animais atuais, e sua consciência era uma consciência pictórica interna, análoga à dos animais inferiores de hoje. Era semelhante a uma consciência de sonhos do homem, salvo que era perfeitamente racional por ser dirigida pelo Espírito-Grupo dos animais. Chamamos novamente a atenção do estudante para o Diagrama 4 no Capítulo sobre os Quatro Remos, onde isso é mostrado.

Esses seres Lunares já não eram tão simplesmente germinais, como nos Períodos anteriores. Para o clarividente desenvolvido aparecem como que suspensos por cordões na atmosfera de névoa ígnea, assim como o embrião está preso à placenta pelo cordão umbilical. As correntes (comuns a todos eles) que forneciam certa espécie de nutrição, fluíam para dentro e para fora da atmosfera através desses cordões. Essas correntes eram, de certa forma similares em suas funções ao sangue atual. Se aplicamos o nome de "sangue" a tais correntes é unicamente com o objetivo de sugerir uma analogia, porque os Seres do Período Lunar não possuíam nada semelhante ao nosso atual sangue vermelho, que é uma das mais recentes aquisições do homem.

Pelo final do Período Lunar houve uma divisão no Globo que era o campo da nossa e de outras evoluções, que não mencionamos antes para não confundir, mas com as quais nos familiarizaremos agora.

Parte desse grande Globo foi cristalizado pelo homem, dada a sua incapacidade de conservar a parte que habitava no elevado grau de vibração sustentada pelos demais seres dali. Quando essa parte alcançou certo grau de inércia a força centrífuga do Globo em rotação arrojou-a ao espaço em rodopios, onde começou a circular em torno do brilhante e incandescente núcleo central.

A causa espiritual da expulsão dessa cristalização é que os mais elevados seres de tal Globo requerem para sua evolução as extremamente rápidas vibrações do fogo. A condensação, ainda que necessária à evolução de outros e menos avançados seres que necessitam de um grau mais baixo de intensidade vibratória, tolhe esses elevados seres. Por isso, quando parte de qualquer Globo se consolida pela atuação de um grupo de seres em detrimento de outros, essa parte é expelida à distância exatamente necessária para que circule em torno da massa central como um satélite. As vibrações caloríficas que alcançam este satélite têm exatamente o grau e a intensidade convenientes às necessidades peculiares dos seres evolucionantes sobre o mesmo. É claro que a lei de gravitação explica perfeitamente esse fenômeno sob o ponto de vista físico. Mas sempre existe uma causa mais profunda, que proporciona uma explicação mais completa. É o que podemos descobrir quando consideramos as coisas sob o aspecto espiritual. Assim como ação física não é mais do que a manifestação visível de um pensamento invisível que a precede, do mesmo modo a expulsão de um planeta de um Sol central não é mais do que o efeito visível e inevitável de condições espirituais invisíveis.

O menor planeta que foi arrojado no Período Lunar condensou-se com relativa rapidez e formou o campo de nossa evolução até o fim desse Período. Era como uma lua girando em torno do seu planeta-pai, da mesma forma que a Lua gira em torno da Terra, porém não mostrava fases como a nossa Lua. Girava de tal maneira que uma metade estava sempre iluminada e a outra sempre obscura, como sucede com Vênus. Um de seus pólos apontava diretamente para o imenso Globo ígneo, tal como um dos pólos de Vênus aponta diretamente para o Sol.

Nesse satélite do Período Lunar haviam correntes que circulavam em torno do mesmo como as correntes dos espíritos-grupos circulam em torno da Terra. Os seres lunares seguiam essas correntes instintivamente, do lado luminoso para o lado obscuro dessa antiga Lua. Em certas épocas do ano, quando se encontravam no lado luminoso, realizava-se uma espécie de propagação. Temos resíduos atávicos dessas viagens lunares de propagação nas migrações das aves, que até hoje seguem as correntes dos espíritos-grupos em torno da Terra em certas estações do ano, com propósitos idênticos. Mesmo as viagens de lua de mel dos seres humanos demonstram que o próprio homem não se libertou totalmente daquele impulso migratório relacionado com o acasalamento.

Os seres Lunares naquele último estágio eram também capazes de emitir sons ou gritos. Eram sons cósmicos e não expressões individuais de alegria ou de dor, porque nesta época o indivíduo ainda não existia. O desenvolvimento da individualidade veio depois - no Período Terrestre.

Ao final do Período Lunar houve de novo um intervalo de repouso, a Noite Cósmica. As partes divididas foram dissolvidas e submergidas no Caos geral que precedeu a reorganização do Globo para o Período Terrestre.

Os Senhores da Sabedoria então evoluíram tanto que tornaram-se capazes de encarregar-se da evolução, já que eram a Hierarquia criadora mais elevada. Foram encarregados especialmente do Espírito Divino no homem, durante o Período Terrestre.

Os Senhores da Individualidade estavam também suficientemente desenvolvidos para poderem agir sobre o espírito no homem e por isso encarregaram-se do Espírito de Vida.

Outra Hierarquia Criadora cuidou especialmente dos três germes dos Corpos Denso, Vital e de Desejos, conforme evoluíam. Foram eles que, sob a direção de ordens mais elevadas, fizeram o principal trabalho nesses corpos, empregando a vida evolucionante como uma espécie de instrumento. Essa Hierarquia é chamada "Senhores da Forma". Tinham evoluído tanto que puderam encarregar-se do terceiro aspecto do espírito no homem - o Espírito Humano - no seguinte Período Terrestre.

Havia doze grandes Hierarquias Criadoras ativas no trabalho da evolução ao princípio do Período de Saturno. Duas dessas Hierarquias executaram no início alguns trabalhos. Não há informação sobre o que fizeram nem se fala coisa alguma sobre elas, salvo que agiram livre e voluntariamente, retirando-se depois da existência limitada para a libertação.

Mais três Hierarquias Criadoras seguiram-nas no princípio do Período Terrestre: os Senhores da Chama, os Querubins e os Serafins, permanecendo sete Hierarquias em serviço ativo, quando começou o Período Terrestre. O Diagrama 9 dá uma idéia clara das doze Hierarquias Criadoras e de seus estados.

Os Senhores da Mente tornaram-se peritos na construção de corpos de "matéria mental", assim como nós estamos nos especializando na construção de corpos de matéria química, e por uma razão similar: a Região do Pensamento Concreto era a mais densa condição de matéria alcançada no Período de Saturno, quando eles eram humanos, assim como a Região Química é o estado mais denso alcançado pela nossa humanidade.

No Período Terrestre os Senhores da Mente alcançaram o estado Criador e emitiram de si, dentro do nosso ser, o núcleo do material com o qual estamos procurando agora construir uma mente organizada. "Poderes das Trevas" foi o nome que lhes deu Paulo, por terem surgido do escuro Período de Saturno. São considerados maus devido à tendência separatista, pertinente ao plano da razão, em contraste com a força unificadora do Mundo do Espírito de Vida, o Reino do Amor. Os Senhores da Mente trabalham com a humanidade. Não atuam nos três remos inferiores.

 

AS DOZE GRANDES HIERARQUIAS CRIADORAS

 

SIGNO ZODIACAL

NOME

ESTADO

1 – AriesÀ

2 – TaurusÁ

Sem nome

Sem nome

Diz-se que a primeira e segunda Ordens passaram além da compreensão de qualquer indivíduo na Terra. Sabe-se que

prestaram algum auxílio ao princípio da nossa evolução.

As três seguintes Ordens trabalharam livre e voluntariamente para ajudar o homem, duranteos três períodos que precederam ao Período Terrestre. Passaram também à libertação.

3 – GeminiÂ

Serafins

No período Lunar despertaram no homem em formação

o germe do Espírito Humano - o Ego.

4 – CâncerÃ

Querubins

No Período Solar despertaram o germe do

Espírito da Vida.

5 – LéoÄ

Senhores da Chama

No Período de Saturno despertaram o germe do

Espírito Divino e deram o germe do Corpo Denso.

As seguintes sete Hierarquias criadoras estão em atividade no Período Terrestre.

6 – VirgoÅ

Senhores da Sabedoria

No Período Solar deram o germe do Corpo Vital.

7 – LibraÆ

Senhores da lndividualidade

No Período Lunar deram o germe do Corpo de Desejos.

8 - ScorpiusÇ

Senhores da Forma

Têm o especial encargo da evolução humana no Período Terrestre.

9- SagitariusÈ

Senhores da Mente

A humanidade do Período de Saturno

10-CapricorniusÉ

Arcanjos

A humanidade do Período Solar.

11 – AquariusÊ

Anjos

A humanidade do Período Lunar.

12 – PiscesË

Espíritos Virginais

São a humanidade do atual Período Terrestre.

DIAGRAMA 9

 

Os Arcanjos tornaram-se peritos na construção de um corpo de matéria de desejos, a mais densa do Período Solar. Portanto, são capazes de ensinar seres menos evoluídos, como o homem e o animal, ensinando-os a modelar e utilizar-se do Corpo de Desejos.

Os Anjos são perfeitamente aptos a construir o Corpo Vital porque no Período Lunar, quando eram humanos, o éter era o estado mais denso da matéria. Esta capacidade habilita-os a serem guias apropriados do homem, dos animais e dos vegetais, relativamente às funções vitais de propagação, nutrição etc.

 

CAPÍTULO IX - ATRASADOS E RECÉM-CHEGADOS

CRC-INDICE

BIBLIOTECA ONLINE

MAPA DO SITE