Make your own free website on Tripod.com

 

O CORPO DE DESEJOS

Max Heindel

 

 

 

Parte III

Capítulo II

Sua Aparência e suas Funções

 

Além do corpo visível e do corpo vital, também possuímos um corpo feito de matéria de desejo com a qual formamos nossos sentimentos e emoções. Esse veículo também nos impele a procurar a gratificação dos sentidos. Mas, enquanto que os dois instrumentos dos quais já falamos estão bem organizados, o corpo de desejo aparece à visão espiritual como uma nuvem ovóide que se estende de quarenta a cinqüenta centímetros além do corpo físico. Está sobre a cabeça e abaixo dos pés de modo que nosso corpo denso situa-se no centro da nuvem em forma de ovo, assim como a gema está no centro do ovo.

A razão do estado rudimentar desse veículo é que ele foi acrescentado à constituição do homem mais recentemente que os corpos anteriormente mencionados. A evolução da forma é semelhante à maneira pela qual os sucos do caracol inicialmente se condensaram em carne e mais tarde se tornaram uma concha dura. Quando o nosso atual corpo físico inicialmente germinou no Espírito, era um pensamento-forma, mas, gradativamente, tornou-se mais denso e mais concreto até ser hoje uma cristalização química. O corpo vital foi em seguida emanado pelo Espírito como um pensamento forma e está no terceiro estágio de solidificação, que é etéreo. O corpo de desejos é uma aquisição ainda mais recente. Ele também foi concebido por um pensamento forma que agora se condensou em matéria de desejo. A mente, só recebida recentemente, é nada mais que uma simples nuvem do pensamento-forma.

Desenhos das correntes no corpo de desejos - clique nos links abaixo :

Homem Comum      Clarividente Voluntário       Clarividente involuntário

Braços e membros, ouvidos e olhos não são necessários no uso do corpo de desejos, pois ele pode deslizar pelo espaço com mais suavidade que o vento, sem os meios de locomoção que nós precisamos no mundo visível.

Quando observado pela visão espiritual, parece que este corpo de desejos possui muitos vórtices rodopiantes. É uma característica da matéria de desejo estar sempre em movimento. Do vórtex principal localizado no fígado, há um fluxo constante e abundante que se irradia para a periferia desse corpo ovóide e que retorna para o centro através de inúmeros outros vórtices. O corpo de desejos exibe todas as cores e matizes que conhecemos e vasto número de outros tons indescritíveis para a linguagem do mundo material. Essas cores variam para cada pessoa de acordo com suas características e temperamento. Também variam a cada momento de acordo com as mudanças de humor, fantasias ou emoções que a pessoa experimenta. Há, porém, uma certa cor básica para cada um, dependendo do astro regente na hora do seu nascimento. O homem em cujo horóscopo Marte esteja particularmente forte, normalmente, terá sua aura de cor carmim. Quando Júpiter é o planeta mais forte, a cor predominante parece de ser um tom azulado e, assim por diante, com os demais planetas.

Houve uma época da história passada da Terra, quando a crosta não estava ainda completa, em que os seres humanos viviam em ilhas aqui e ali no meio de mares em ebulição. Eles ainda não tinham desenvolvido olhos e ouvidos, mas um pequeno órgão protuberante desde a parte de trás da cabeça, a glândula pineal que os anatomistas chamaram de terceiro olho, , era o órgão de sentido localizado que avisava o homem toda vez que ele se aproximava de uma cratera vulcânica, permitindo-o escapar assim da destruição. Desde então, os hemisférios do cérebro vêm cobrindo a glândula pineal e ao invés de apenas um órgão de sentido, o corpo todo em seu interior e exterior tornou-se apto a sentir os impactos, o que, naturalmente, é um estado de desenvolvimento muito superior.

No corpo de desejos, cada partícula é sensível a vibrações similares às que chamamos de imagens, sons e sentimentos, e cada partícula está em constante movimento, rodopiando rapidamente de tal forma a poder estar no mesmo instante na parte superior e na inferior do corpo de desejos e levando às demais partículas em todos os pontos a sensação por ela experimentada. Assim, cada partícula da matéria de desejos nesse nosso veículo irá instantaneamente sentir qualquer sensação experimentada por cada uma das partículas. Por conseguinte, o corpo de desejos é de uma natureza excepcionalmente sensível, capaz dos mais intensos sentimentos e emoções.

O corpo de desejos é o veículo dos sentimentos e emoções que estão sempre mudando a cada momento. Embora tenha-se dito que o éter que forma nosso corpo alma esteja em movimento constante e associado à corrente sangüínea, essa movimentação é relativamente lenta se comparada à rapidez da corrente do corpo de desejos.

A matéria de desejos movimenta-se com inconcebível rapidez, só comparada à luz.

Os impulsos do corpo de desejos dirigem o sangue através do sistema a variáveis padrões de velocidade, de acordo com a força das emoções.

Atualmente, os materiais das regiões inferiores e superiores entram na composição dos corpos de desejos da grande maioria da humanidade. Ninguém é tão mau que não tenha algo de bom . Isso está expresso nos materiais das regiões superiores que encontramos em seus corpos de desejos. Mas, por outro lado, muitos poucos são suficientemente bons que não usem alguns dos materiais das regiões inferiores.

Da mesma maneira que os corpos vital e de desejos planetários interpenetram a matéria densa da Terra, como está ilustrado na experiência da esponja, da areia e da água, (ver Conceito Rosacruz do Cosmos), assim os corpos vital e de desejos interpenetram o corpo denso da planta, do animal e do homem. Mas durante a vida do homem, seu corpo de desejo não tem a forma semelhante a seus corpos denso e vital. Após a morte ele assume essa forma. Durante a vida, ele tem a aparência de um ovóide luminoso que nas horas de vigília envolve completamente o corpo denso, como a clara envolve a gema de um ovo. Estende-se cerca de trinta a quarenta centímetros além do corpo denso. Nesse corpo de desejos existem inúmeros centros de sentido, mas, na grande maioria das pessoas, eles acham-se latentes. É o despertar desses centros de percepção que corresponde à abertura dos olhos de um cego. A matéria no corpo de desejos humano está em constante movimento de inconcebível rapidez. Nele, não existe nenhum local de parada para nenhuma partícula, como há no corpo denso. A matéria, que num momento está na cabeça, pode estar em seguida nos pés e logo retornar. Não há órgãos no corpo de desejos, como nos corpos denso e vital, mas há centros de percepção que, quando ativos, assemelham-se a vórtices, permanecendo sempre na mesma posição relativa ao corpo denso, a maioria deles em torno da cabeça. Na maioria das pessoas, eles são apenas redemoinhos e não são úteis como centros de percepção. Entretanto, podem ser despertados totalmente, porém, diferentes métodos produzem diferentes resultados.

No clarividente involuntário, esses vórtices desenvolvidos em linhas impróprias e negativas movimentam-se da direita para a esquerda ou ao contrário dos ponteiros dos relógios.

No corpo de desejos do clarividente adequadamente treinado eles se movem na mesma direção dos ponteiros dos relógios, brilhando de forma esplendorosa, sobrepujando sobejamente a brilhante luminosidade do corpo de desejos comum. Esses centros fornecem-lhe meios de percepção no Mundo do Desejo, e ele vê e investiga de acordo com seus desejos, enquanto que a pessoa cujos centros se movimentam no sentido oposto aos ponteiros do relógio é como um espelho, que reflete o que passa diante dela. Tal pessoa é incapaz de obter uma informação de fora. O que foi dito anteriormente é uma das diferenças fundamentais entre um médium e um clarividente adequadamente treinado. Para a maioria das pessoas, é impossível distinguir entre os dois, mas existe uma regra infalível que pode ser seguida por qualquer pessoa: Nenhum vidente verdadeiramente desenvolvido jamais irá exercer essa faculdade por dinheiro ou algo equivalente; nem irá usá-la para satisfazer curiosidades, mas somente para ajudar a humanidade.

 

BIBLIOTECA ONLINE

O CORPO DE DESEJOS- ÍNDICE

PARTE III CAP III