Make your own free website on Tripod.com

 

CARTA Nº 24

Novembro de 1912

FRATENIDADE ROSACRUZ, UM CENTRO ESPIRITUAL

 

Em 28 do mês passado, fez um ano que escavamos o terreno para a construção do primeiro edifício em Mount Ecclesia. Foi um glorioso dia de Sol, típico na Califórnia, sem uma nuvem que empanasse o céu e cujo azul intenso rivalizava com o azulado do Oceano Pacífico que, dos terrenos da Sede Central onde estávamos, podia ser visto além de cem milhas. Éramos um pequeno grupo de nove, a maioria visitantes. Ao olharmos a leste, para o encantador vale verde de São Luiz Rey em direção às grandes montanhas cobertas de neve, e ao contemplarmos as paredes brancas, os telhados vermelhos e a cúpula dourada da Missão Católica de São Luiz Rey, onde os padres franciscanos tanto trabalharam ensinando mexicanos e índios durantes séculos, pareceu-nos de bom augúrio.

Aqui estávamos, uns poucos entusiastas, sobre um pedaço de terra vazia onde aspirávamos fundar um Centro Espiritual. Aqueles antigos padres tinham-se encontrado em situação parecida, melhor em alguns casos e pior noutros. Os meios de locomoção e transportes modernos permitem-nos chegar hoje a todas as partes do mundo, enquanto o campo de ação deles se achava, nessa época, limitado às proximidades imediatas. Viram-se obrigados a lavrar a terra, assim como cuidar das almas do seu rebanho, trabalhar para obter a sua subsistência. Pediram ajuda para o trabalho físico enquanto delineavam seus planos e, mediante esforços conjuntos, foi erigido um templo onde todos puderam prestar culto. Neste aspecto estiveram em melhores condições do que nós; todos os seus membros estavam presentes no local, prontos para dar ajuda física na construção da Missão, que era para eles o que nossa Sede será para a Fraternidade Rosacruz. Mas, nós não temos pupilos, não exercemos autoridade e repudiamos a interferência na liberdade individual por ser diametralmente oposta aos Ensinamentos Rosacruzes, que são os mais elevados do mundo. "Se queres ser Cristo, ajuda-te a ti mesmo", isto é o que se transmite ao candidato que almeja a Iniciação quando ele geme ao peso da prova. Ninguém que for dependente, pode ser ao mesmo tempo um auxiliar; cada um deve aprender a conduzir-se sozinho.

Nossos associados são hoje me número quatro vezes maior do que há um ano atrás, por conseguinte, o trabalho aumentou consideravelmente. O sistema e a maquinaria possibilitam a três de nós, que trabalhamos nas oficinas, fazer o trabalho que exigiria um grande número de colaboradores. Os trabalhos caseiros e os de jardinagem são pagos. Mesmo assim, o trabalho normal de preparação de cartas e lições dos vários cursos, a correção das lições, o envio mensal de umas 1.500 cartas individuais para ajudar os nossos estudantes a ultrapassar as suas dificuldades, além dos cursos por correspondência, algumas vezes sobrecarregam-nos. Há momentos em que nos julgamos impossibilitados de atender todas as solicitações por falta de ajuda na parte mecânica do trabalho. Mas, milagrosamente, parece que o céu de repente se abriu, inventamos um método novo para fazer uma certa parte do trabalho com maior rapidez e menor esforço, e sentimo-nos preparados para um novo crescimento. Como dissemos, temos hoje quatro vezes mais trabalho do que há um ano, com menos ajuda e menos esforço.

Mas, enquanto a Fraternidade pôde ser atendida, a Sede em si sofreu algum descuido. A pretendida Escola de Cura, o Sanatório, e o mais importante de tudo, a Ecclesia - onde a Panacéia deve ser preparada para os poderosos serviço de cura espalharem por todo o mundo a saúde física e moral - tudo isto são ainda idéias germinais. Como o grito de sofrimento da humanidade chega até nós através de milhares de cartas, nosso desejo pela realização dos planos dos Irmãos Maiores torna-se cada vez mais intenso, e é tão agudo que parece encorporar a vontade concentrada de todos aqueles que apelam para nós por se encontrarem tristes e enfermos.

A nossa Fraternidade está espalhada por todo o planeta. Não podemos seguir o exemplo dos padres espanhóis e pedir aos nossos estudantes que façam tijolos físicos e os venham colocar, um a um, em um trabalho de amor. Nunca solicitei um centavo de ninguém - o trabalho da Fraternidade Rosacruz vem sendo inteiramente mantido por donativos voluntários e pelo modesto produto da venda dos meus livros - nem tampouco farei um apelo para obter um fundo para a construção do edifício. Isto deve partir do coração dos amigos. Mas, quando o sentimos aqui na Sede o intenso grito de dor no mundo, sou forçado a procurar os meios para realizar o plano de fazer da Sede da Fraternidade Rosacruz um Centro Espiritual o mais eficiente possível.

Há um ano escrevi aos estudantes indicando-lhes o momento exato em que abriríamos o terreno em Mount Ecclesia, e pedia todos que entrassem nos seus quartos e estivessem conosco em oração, já que não o podiam fazer pessoalmente. Foi maravilhoso sentir a elevação espiritual daquele esforço coletivo. O impulso inicial favoreceu e, por essa razão, sinto-me outra vez inclinado a pedir a ajuda de todos.

O movimento Cientista Cristão "demonstrou" quando quis erguer edifícios, como o dinheiro aluiu aos seus cofres; os prosélitos do Novo Pensamento enviam um "pedido" e os cristãos de todas as denominações "rezam" por fundos. Todos eles usam o mesmo método, mas empregam nomes diferentes. Todos querem colunas magníficas de pedras e vidros, e conseguem obtê-las. Eu sei que é necessário um lugar e um edifício apropriados à dignidade de nosso trabalho, mas, apesar de ter tanta necessidade deles, não posso pedir colunas de pedras, nem posso rogar aos estudantes que as façam; mas posso, quero e suplico a todos, para que se unam comigo em oração para que a sede da Fraternidade Rosacruz possa tornar-se o mais eficaz e poderoso Centro Espiritual. Rezem com toda a sua alma para que os que trabalham na Sede alcancem a graça de levar este trabalho adiante. Focalizem-nos em seus amorosos pensamentos para que sejamos capazes de irradiar essa graça pra o mundo faminto de tal amor. Nós mesmos somos fracos, mas, com as orações de todos e a Graça de Deus, poderemos ser uma poderosa força no mundo e, se procurarmos primeiro o Reino de Deus, os pedidos para a construção de edifícios necessários ao nosso trabalho surgirão no momento oportuno, sem que degrademos a oração ao convertê-la num meio para adquirir posses materiais.

 

 

 

 

CARTAS AOS ESTUDANTES - INDICE

BIBLIOTECA ONLINE

MAPA DO SITE

 

 

Fraternidade Rosacruz